quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Conversa entre amigos

Os dois eram amigos, apenas amigos, um garoto e uma garota, ela tinha 14 anos e ele 16. Os dois conversavam sentados no alto de um gramado, à noite, com vista para toda a cidade:

(garoto) - Você é feliz?
(garota) - O que é a felicidade para você?
(garoto) - A felicidade tem definição?
(garota) - A felicidade é uma prioridade.
(garoto) - Não é a felicidade um estado de espírito?
(garota) - Talvez... Ou a alegria é um estado de espírito. A felicidade é plena.

O garoto jogou o braço atrás da cabeça, deitou na grama e, olhando para o céu, ficou pensando. Levantou depois de alguns minutos e perguntou:

(garoto) - Qual é a sua prioridade?
(garota) - Minha liberdade.
(garoto) - Que tipo de liberdade.
(garota) - Quero minha independência financeira pra não ter que pedir dinheiro aos meus pais.
(garoto) - Isso vai te trazer felicidade plena?

A garota deitou na grama e pensou por alguns segundos e falou:

(garota) - Acho que sim por um tempo.
(garoto) - Por quanto tempo?
(garota) - Mais ou menos um ano, vou curtir minha vida, sair com minhas amigas, dar altas festas no meu apartamento e depois vou querer um namorado.
(garoto) - Se vai durar um ano, então devo concluir que é alegria e não felicidade.
(garota) - É talvez seja... Na verdade a felicidade é uma busca constante.
(garoto) - Então não existe felicidade plena?

A garota ficou parada por um longo tempo pensando e disse:

(garota) - Não.
(garoto) - Não?
(garota) - Talvez todos nós nascemos já com a felicidade plena que perdura ao longo da infância e, de alguma forma, vamos perdendo a medida que vamos crescendo e descobrindo o mundo... Talvez não a perdemos, talvez ela ainda esteja dentro da gente e nós esquecemos como usá-la.
(garoto) - Então encontraremos a felicidade plena quando voltarmos a ser crianças?

A garota levantou entusiasmada e falou apontando com o dedo:

(garota) - Isso!
(garoto) - Vamos até a minha casa jogar videogame?
(garota) - E depois vamos comer muito salgadinho e tomar toddynho até passar mal...
(garoto) - Não esquecendo das trakinas...
(garota) - For sure! Vamos lá...
(garoto) - Vamos!

Acho que eles não entenderam...



Música: Beautiful Place do Good Charlotte

Texto: Amanda Ribeiro

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Meu primeiro selo!

Não, não estou falando de beijo. Haha... É o primeiro selo do meu blog que eu ganhei da Patrícia Lemmon do blog Minha vida de limão. Obrigada Patrícia!

sábado, 25 de dezembro de 2010

Nasce Jesus!

Hoje vou colocar um trecho do livro "Dias melhores virão" do Max Lucado.

Deixando seu trono, ele tirou seu manto de luz e se revestiu de pele: da pele humana pigmentada. A luz do universo entrou em um ventre escuro e molhado. Aquele a quem os anjos adoram aconchegou-se na placenta de uma camponesa, nasceu na noite fria e, depois, dormiu sobre o feno destinado a uma vaca.
Maria não sabia se lhe dava leite ou louvor, mas lhe deu ambas as coisas, uma vez que ele estava, até onde ela podia imaginar, com fome e era santo.
José não sabia se o chamava de Júnior ou Pai. Mas, no final, ele o chamou de Jesus, seguindo as palavras do anjo e reconhecendo não ter a mínima idéia do nome que deveria dar a um Deus que ele poderia embalar nos braços.
Você não acha que a cabeça deles se inclinou e a mente se perguntou: Afinal, o que você está fazendo Deus? Ou, melhor: Deus, o que você está fazendo no mundo?

 Feliz Natal!

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Não era pra ser assim...

Capítulo 04: O encontro com Scarllet

Eram 16:30 e Gustavo estava parado em frente a livraria Café Arte. Ficou olhando para aquela fachada enquanto apertava involuntariamente o celular. As lembranças vinham a sua mente, agora perturbadoras.
Gustavo então toma fôlego, entra e senta-se a mesa, olha para o relógio, "são 16:32" e espera super apreensivo.
16:40 e nada de Scarllet aparecer, quando Gustavo pensa em pegar um café, ele vê um reflexo no vidro a sua frente, uma moça loira, de cabelos curtos, estilo "joãozinho", mas os olhos, aqueles olhos grandes e azuis eram os mesmo de sempre... Ele olha para trás... Era Scarllet.
Os dois ficam parados por alguns segundos, até que Gustavo exclama:
- Scarllet!
O que ele sentia era inexplicável, era um misto de sentimentos, antes perturbadores, agora, uma nostalgia gostosa, longe de mágoas. Scarllet sentou-se a mesa.
Por um tempo Scarllet olhava Gustavo meio que sorrindo, balançava a cabeça como se dissesse algo por dentro como, "nossa", abaixou a cabeça, surgindo em seu rosto uma expressão mais triste, respirou fundo e perguntou: "Como você tá?"
Gustavo era muito impulsivo, não conseguia pensar direito quando era tomado por suas emoções, elas eram a flor da pele. Com lágrimas nos olhos, ele pegou na mão de Scarllet e se aproximou para beijá-la...
Scarllet se afastou quase virando a cadeira, levantou-se meio zonza, e falou, com uma expressão dramática no rosto:
- Eu tenho uma coisa importante pra te dizer, e é por isso que eu tou aqui, só por isso...
Gustavo, também zonzo, foi para trás assustado e  falou:
- Eu acho que eu sei do que se trata... É ela, né?
- É...
- E cadê ela?
Respirando fundo e sentando na mesa, Scarllet respondeu:
- Tem muita coisa que você não soube ao longo desses anos...
Ao ouvir isso, toda raiva e mágoa voltava a cabeça de Gustavo, deixando-o com uma expressão de rancor.
Gustavo grita e bate na mesa:
- CADÊ ELA?
Scarllet , com os olhos cheios de lágrimas , coloca a mão na boca, as lágrimas rolando em sua face...
- Não tá aqui comigo, ficou na Finlândia.
Gustavo começa a chorar, como não havia chorado há muito tempo... Enquanto isso, as pessoas na livraria olhavam curiosas...
Scarllet levantou-se e olhando para Gustavo, falou chorando:
- Eu sei que você tá com muita raiva de mim...
Saiu, virou para trás e chamou:
- Gustavo...
Gustavo olha para ela e ela diz:

"O nome dela é Melissa." 
 --------------------------------------------------------------


quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

A garota dos olhos tristes...

Eu tenho que escrever agora... Se não for agora, não sai mais.
---------------------------------------------------------------

Cadê aquela garota dos olhos tristes? Aquela com vestido amarelo florado? Ela tinha um livro verde na mão com uma margarida no meio da capa. Era o diário dela.
Ela ficava sentada na porta do salão de beleza abandonado. Ela ficava ali sentada olhando sabe-se lá o que...
Onde está a garota dos olhos tristes e dos cabelos castanhos lisos? Eram suaves e eruditos. Tudo nela cheirava mistério.
Certo dia me sentei do lado dela, não falei nada, só sentei. Ela olhou para mim e falou:
- Faz tempo que aqui não chove.
Levantou e saiu.

Cadê aquela garota dos olhos tristes? Meus cabelos estão grisalhos e venho todas as manhãs no mesmo horário, nesse mesmo ponto de ônibus de onde eu a observava, encontrá-la para devolver seu diário.
Quando eu encontrá-la vou sentar do lado dela, olhar para ela e dizer:
- Eu nunca li seu diário.


Amanda Ribeiro

domingo, 28 de novembro de 2010

Não era pra ser assim...

Capítulo 03: Amassando o pão, sentimentos amassados

Gustavo abaixou a cabeça sentindo vir o sentimento de ansiedade, pegou o maço e acendeu um cigarro.
Enquanto isso, dona Glória batia a massa de pão caseiro na cozinha, quando chamou Gustavo para ajudar.
- Guzito, me ajuda a amaciar a massa do pão...
Gustavo, entre uma tragada e outra, tentava esvaziar a mente, e então ouviu dona Glória chamar.
- Ok, mãe.
- Humpf, você e esse cigarro... Quantas vezes vou ter que falar...
- Tá, tá... Seu sermão já tá aqui na minha cabeça e até agora não mudou nada na minha vida.
Dona Glória só olhou com um olhar repreensivo e não falou nada.
Então Gustavo começou a amacetar a massa, franzindo a testa com a força que colocava na massa do pão.
- Guzito, lembra de como a Scarllet amava quando eu fazia esse pão recheado?
Gustavo parou por um momento, perdendo a expressão de força e respondeu sem tanto entusiasmo:
- Lembro...
- Você não teve mais notícias del...? (dela)
- EU NÃO QUERO FALAR SOBRE ISSO, MÃE. - Gustavo falou num tom um pouco mais alto.
Dona Glória gostava muito de Scarllet.
 -------------------------------------------------------


Clique aqui para ler todos os capítulos.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Não era pra ser assim...

Capítulo 02: O torpedo

Ao ver o nome de Scarllet na tela do celular, Gustavo sentiu-se invadido por um sentimento de confusão, era como se um mar de águas bem geladas o tivesse invadido por dentro, não conseguia pensar. De repente Gustavo levou um susto, sentiu um tapa no ombro dele, era seu amigo, Carlos, que passou correndo falando com ele...
- Ô Guto, quer tomar banho, vai no chuveiro, maluco...
Gustavo deu uma risada de leve, olhou de novo pra tela do celular enquanto entrava. Foi direto para seu quarto, sentou na cama e apertou o botão para ler a mensagem:

"Me encontre na Café Arte às 16:30."

Gustavo ficou atônito, pensativo. Por um longo período de tempo se manteve em silêncio, parado, olhando para o nada...
----------------------------------------------------

Clique aqui para ler todos os capítulos.




"Sou leitora dos meus próprios pensamentos."





domingo, 21 de novembro de 2010

Não era pra ser assim...

Capítulo 01: O celular

Gustavo saiu pra comprar um cigarro. O dia estava nublado, mas calmo. Gustavo andava observando o movimento na avenida quando chegou à padaria.
- Oi, seu Pablo, me vê um maço de marlboro...
- E aí Guto, como está a Dona Glória?
- Tá bem, seu Pablo, andou com umas dores na perna esses dias, trabalha muito né, mas tá bem.
- Tá certo, mais tarde eu mando uns sonhos pra ela, sempre sobra.
- Ah, tá... Obrigado. Tchau.
- Saindo da padaria, a chuva começou a cair e Gustavo correu em direção à sua casa, chegando ao portão seu celular toca... Era um torpedo de Scarllet.
------------------------------------------------------------------

Clique aqui para ler todos os capítulos.

sábado, 20 de novembro de 2010

História sem título...

Pauline acordou assustada quando então ouviu um barulho no portão e olhou pela janela. Era o carteiro que veio entregar uma carta. Pauline então desceu para pegar a carta.
-----------------------------------------------------

(continuem nos comentários)

domingo, 14 de novembro de 2010

My Girl

Infância nostálgica...

Ontem, como um presente recebido de Deus na madrugada, assiti 'Meu Primeiro Amor' no Intercine, e quer saber de uma coisa? Eu nunca assisti aquele filme da maneira como eu assisti ontem à noite, os meus olhos estavam diferentes da época em que ele sempre passava na Sessão da Tarde!

Foi lindo! Foi mais especial que as outras trilhões de vezes que eu já assiti ao longo dos anos. Tive a sensação de ter Santo André dentro do pequeno espaço do meu quarto. Voltei lá atrás...

Foi lindo, foi especial! O filme foi mais lindo do que nunca!


sábado, 13 de novembro de 2010

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Aqui, esta é você!

Quando eu escrevo aqui no meu blog, é como se eu me visse de frente. Você não vê a si mesmo de frente, só as outras pessoas, você só se vê no espelho. Mas quando eu escrevo aqui no blog e leio o que escrevi é como se eu pegasse e mostrasse assim pra mim: Aqui, esta é você!

Eu olho e penso comigo: Caramba, sou eu mesma? Parece que eu não me conheço mesmo, talvez seja falta de atenção comigo mesma, e aqui é o lugar que mais facilita olhar para mim mesma.

Às vezes eu acho interessante, às vezes eu tenho uma surpresa, às vezes não é agradável e às vezes não é nada de diferente do que eu já sei sobre mim.

Mas é isso, eu acredito que você passa a vida inteira se descobrindo, e isso é muito importante, ninguém conhece a si mesmo 100%. E eu descobri que algumas coisas eu quero mudar em mim, outras eu quero conservar e outras cultivar e aperfeiçoar!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Saudade

E foi assim, ouvindo 'November Rain' com a chuva caindo lá fora que eu me lembrava, lembrava de você brincando com meus cabelos enquanto rolávamos na cama um do lado do outro. Você enroscava os dedos nos meus cachos e dava risada, lembra? Enquanto essa cena vem na minha cabeça eu rolo junto, na mesma cama em que você me confessou alguns dos seus segredos e me amou...

E aquela história? Aquela história que você me contou de quando você era criança? Lembro de você me contando com um sorriso com cara de quem tinha uma surpresa a cada coisa que falava e descobria... Seus olhos brilhavam...

Lembra que você odiava a minha mania de ficar por horas com o mesmo chiclete na boca, sem gosto e sem graça? Eu parei! E de vez em quando eu faço isso só pra lembrar desses tempos... Inesquecíveis!

Eu lembro de tudo isso, lembro do cheiro de hortelã do seu cabelo, e do cheiro de amaciante barato da sua camiseta. Lembro dos seu planos, seu sonhos... Aliás, você encontrou aquele livro que você tanto queria, aquele que você não encontrava em nenhum sebo? Lembro do valor que ele tinha pra você, era o mais importante, poderia morrer sem realizar nada, mas tinha que encontrar aquele livro.

Eu sinto saudade de ver você contando a sua coleção de notas antigas... Contava como se fosse dinheiro atual, que tem valor de moeda corrente. Você tinha tanto zelo por elas, e eu, estranhamente, amava vê-lo fazendo aquilo.

Eu só não gostava quando você passava o dia afinando o seu violão... Eu gostava de ver você tocar sentado na janela, sempre que caía aquela chuva calma, como a que está caindo agora, mas quando você afinava seu violão, o dia parecia tedioso!

É... As nossas vidas tomaram rumos diferentes, mas o que ficou, ficou pra sempre. Espero que você esteja feliz onde você estiver.

PS.: Lembra do meu cachorro, Spartus? Ele morreu.



Música: November Rain do Guns N' Roses.

Texto: Amanda Ribeiro

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Houve tempos em minha vida
Em que eu estava ficando louco
Tentando atravessar
A dor...
 
Aerosmith
Eu estava chorando quando te conheci
Agora estou tentando te esquecer
O seu amor é uma doce miséria
Eu estava chorando pra te ganhar
Agora estou morrendo porque te deixei
Fazer o que faz - pra me deixar mal...

Aerosmith
É tem um buraco em minha alma
Mas uma coisa eu aprendi
Para cada carta de amor escrita
Existe outra queimada...
 
Aerosmith

domingo, 24 de outubro de 2010

Imagine...

Uma sala com a janela fechada.

Não tem nada nessa sala além de uma cadeira, bem no centro da sala, onde você se senta. Não tem nenhum som, é tudo tão silencioso, a luminosidade é muito baixa. Você está na sua própria companhia.

Você sozinho no seu próprio coliseu, os leões são soltos, você tem de enfrentá-los.

Quem vai vencer?

Perturbador, não?

O silêncio do lugar é inversamente proporcional ao teu silêncio interior.

PENSAMENTOS FAMINTOS!

Famintos como leões, ferozes...

Como você enxerga esses leões? Bocas enormes com dentes grandes e afiados cheios de sangue...

Como está sua respiração?

Você quer enfrentar esses leões ou vai deixar eles te torturarem?

ABRA A JANELA!

As armas estão dentro de você!

ABRA A JANELA. Você já pode avistar a paisagem lá fora?

ABRA A JANELA, enxergue os leões muito melhor agora. Enfrente, agora está mais fácil com toda essa claridade, pode enxergar suas armas e o inimigo. A paisagem lá fora é um incentivo.

Está difícil?

APENAS ABRA A JANELA...



Agora é com você.

Congestionamento...

Tenho muitas ideias...
O que me impede de realizá-las?
Tenho muitos medos. Acho que encontrei a resposta.

Ansiedade.

Como combatê-los?
Talvez ocupando a mente com outras coisas.
Dá certo no momento em que estou realizando estas coisas novas... O problema é ficar parada. Ficando parada eu penso muito. Então o negócio é fazer.

Buscar o auto-conhecimento, já percebeu como é difícil?
Eu já!

Às vezes pode ser até desagradável. Difícil se focar no que você tem de melhor. Mas conseguindo isso, muita coisa vai sair da inércia... É aí que as coisas começam a se desenrolar.

Se conhecer... Buscar a si mesmo, jogar fora os lixos internos e aperfeiçoar os tesouros desconhecidos
Deus vai me ajudar, eu sei.

Confiar! Confiar que os dons que Ele deu vão fazer uma super diferença no mundo!

Qual é o defeito que sustenta meu edifício inteiro?

"Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro."

Clarice Lispector

sábado, 23 de outubro de 2010

A paz que excede todo o entendimento.

 Originalmente postado em 2 de agosto de 2009 às 21:49

"Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o coração e a mente de vocês em Cristo Jesus."
Filipenses 4.6,7
...
Angústia, ansiedade, tristeza, tudo desaparece quando falo com Deus e mesmo tendo motivo pra não ter paz, eu tenho a paz que excede todo o entendimento. É difícil entender o que é ter paz em determinadas circunstâncias. Difícil entender, mas não impossível de ter!

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

When you were young

Caroline é aquele tipo de garota inocente, aquele tipo que quando olha enxerga as coisas boas e parece que nunca sentiu raiva de ninguém... Aquele tipo que você nunca conheceu... Caroline é romântica e alegre ao extremo... Seu maior crime foi pular o muro da escola pra matar aula...

Caroline é profunda e espera... Espera alguma coisa que transforme por dentro... Espera algo que leve ela a fazer coisas que ela jamais faria...

Caroline esperou... E quando menos esperou ele apareceu...
...

Caroline era aquele tipo de garota inocente, mas ele mexeu nos sentimentos adormecidos do coração inocente... Caroline sente raiva, amor e ódio... Ela sente desejo e saudade.. Caroline é romântica ao extremo, alegre ao extremo, triste ao extremo quando longe dos olhares... Caroline agora suspira, respira fundo...

Ela viveu coisas que jamais imaginou viver...

Caroline esperou, ele marcou, ela mudou...

video

Música: When you were young do The Killers

Texto: Amanda Ribeiro

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

É assim, de repente...

Ela chegou em casa, fechou a porta, encostou na parede e abaixou. Colocando as mãos na boca não conseguia pensar em nada, ou então pensava em tudo, seus olhos viravam para um lado e para o outro, ainda não percebeu o que estava acontecendo, o que acabara de acontecer.

Aquele cara que odiara durante séculos, era um completo desconhecido depois de sentir seus lábios úmidos e gelados... O moleque irritante agora era o homem que mexia com seu mais profundos desejos... E medos...

O que foi aquilo? Não se perguntava isso, mas no fundo era o que estava lá dentro, lá dentro atrás de seus olhos confusos de um lado para o outro...

Só conseguia pensar naquele cheiro, na boca tão gostosa, molhada, gelada, saborosa, carnuda e tão dominadora de forma profunda e devastadora...

Até o nome dele agora lhe era tão diferente, tão forte... Victor Emanuel... Nome composto... Ela nunca tinha dado importância pra isso, mas Victor Emanuel... Era tão lindo, como não notou isso antes, tão forte, combinação tão perfeita, tinha tanta harmonia...

De repente aquele garoto idiota desapareceu... Via um homem apenas, um homem de olhar que lhe acalmava a alma, um homem com cabelos lisos e castanhos por onde as suas mãos dançavam como uma dançarina de pole dance... Um homem que ao tomá-la em seus lábios o mundo desaparecia... Numa eternidade de alguns segundos...

É assim, de repente...

Amanda Ribeiro

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Energia...

Tem dias que você está com aquela vontade, mas aquela vontade mesmo. Sua mente gira em torno daquela vontade. Você não consegue se concentrar em nada, porque aquela vontade não sai de jeito nenhum da sua cabeça. Aí você não consegue matar aquela vontade no dia... E isso é chato pra caramba.

Sabe aquela energia por dentro, e não dá pra colocar para fora porque não dá naquele momento...

É a treva!

terça-feira, 17 de agosto de 2010

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Amigos...

Imprescindíveis, insubstituíveis.. Quem não tem pode até morrer... Morrer de tanta tristeza, de tanta solidão... De tantas desilusões!

DESILUSÕES... Que te fazem desistir de viver... Passar um bom tempo ao lado dos amigos falando besteiras e rindo até cair no chão é curativo! E é sempre assim, um ajudando ao outro, um está mal o outro está bem, assim se completam...

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Escrever...

Escrever... Colocar as ideias pra fora, pensamentos reclusos, sentimentos fechados em caixinhas e através dos dedos digitando no teclado, ou na máquina de escrever (tão retrô, tão cool) ou a voz no gravador de mão, ou um lápis ou caneta tinteiro na folha arrancada do caderno... Escrever... Tão gostoso é escrever, tão LIBERTADOR é escrever! Colocar todas as ideias pra fora, as mais loucas, mais insanas, as mais vividas, mais antigas... As experiências de vida... Maravilhosas são as letras, desde as ocidentais as orientais, juntas formando palavras, dentro dessas palavras coisas tão profundas, mistérios descobertos, descobertas que trazem mais mistérios... Escrever é MÁGICO!

Escrever uma história fictícia ou real... A história de sua vida...
Escrever é um real surreal!

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Cantadas...

Estou aqui assistindo ao programa da mtv (com Marimoon e outra vj que eu não conheço) onde estão falando sobre cantadas ruins...
Eu já recebi cada uma...
Pior são aqueles caras que acham que sua simples simpatia e educação são sinal de que você está dando mole pra eles..... Grrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr.... BANDO DE SEM NOÇÃO!

Elas também falaram que o Justin Timberlake curte mulher suada, com aquele cheiro natural da pele, e a apresentadora ainda acrescentou que os cientistas falam mesmo sobre esse instinto das pessoas gostarem do cheiro natural (os feremônios) e que se você for a uma balada sem tomar banho pode atrair mais gatinhos... Eca, né?
Eu gosto é de homem cheiroso!

Voltando as cantadas baratas, e você, qual cantada mais cretina já recebeu?

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

I wanna have control...

Ter o controle... Sobre as coisas... Sobre as pessoas... Sobre a vida! Tentamos, não podemos, mas tentamos... Sabemos que não podemos, mas tentamos... Queremos ter o controle, desejamos, mas nunca teremos... Não somos as leis do Universo... Não somos Deus. A única coisa ao nosso controle é nossa ação, mas não sabemos a reação, não podemos prever se vai dar certo ou errado. Mas se não tentarmos nunca saberemos!

I wanna have control...
Eu quero esse controle... Eu queria... Eu não posso... Eu não tenho!

video

Música: Creep do Radiohead

Palavrinhas presas...

Tou com vontade de escrever, mas não sei o que... Tenho um montão de ideias na minha cabeça, mas sabe quando as palavrinhas ficam presas lá dentro? Pois é...

Acordei não faz muito tempo... Muita coisa pra acontecer no dia ainda... Fazer as unhas, me arrumar e ir pra facul láaaaaaaaaaaaaaaaaaaa em Marília...

Um beijo... Talvez eu volte, talvez não...


PS.:

















One day I'll be there! ;D

Novidades no Amor...

 Acabei de assitir a este filme. Gostei. Passam-se os anos e as coisas mudam, e o que não deu certo antes, pode não ter dado certo porque não era a hora.
Assim é a vida...

PS.: Gostei da letrinha de máquina de escrever... O que vocês acharam?




Novos Ares...

Novo blog!
Ufa, né? Tava precisando de novos ares... Uma nova cara, um novo endereço e só mudar o endereço do outro blog não adiantou nada, tive que criar um novo blog...

Pretendo fazer este aqui mais introspectivo... Aguardem Bebézinha filósofa na área.. =P

Beijinhos...

Obs: Tou com preguiça de trocar o layout, mas essa foto com coisas antigas tem uma atmosfera legal, o que vocês acham?


Vou lá terminar de assistir aquele filme com a Catherine Zeta Jones... Um que ela pega o babá dela hauahuahauhauhau...